Confluência (geral) das vontades : Prelúdio : O corpo e a criação.

Você pode ler o texto anterior, clicando aqui. Para o Índice clique aqui

Capitulo IV

Fix your eyes upon your crude hands: the sinew, the soft meat, the dark blood coursing within.
It is a weakness; a crippling flaw…. A joke played by the Creators upon their own creations.”
Lady DeathWhisper

No capitulo passado expressei a minha noção do criador, e falei um pouco sobre o ser pensante. Agora ponderar como o criador age na realidade é consideravelmente importante. Ao definir que o pensamento é uma evolução da analise, do processamento da realidade, as respostas que o criador, a mente, gera nessa realidade são de igual importância.

Cada corpo é um avatar do criador, é pura e basicamente uma maquina, uma interface com a realidade. Isso pode parecer confuso, mas a partir do momento que temos a abstração completa do pensamento, e a noção do real/irreal, o corpo deixa de ser a manifestação máxima do ser vivo e passa a ser simplesmente um vassalo. A vontade individual assim como a vontade coletiva (ambas discutas mais adiante) são os verdadeiros “seres”. Comer, dormir, respirar, e todas essas funções metabólicas são apenas um processo auto-ostentativo do vassalo.

Particularmente eu acredito que foi a complexidade de pensamento forçou a complexidade da maquina. Ou em outras palavras, as qualidades físicas, e as condições físicas, além de uma condição genética são resultado e não causa. De alguma maneira a vontade exerceu sobre a existência uma expressão e essa expressão é o corpo no qual estamos presos.

Capacidades:

A primeira capacidade é a auto-sustentação, cada vassalo é capaz de realizar todas as funções metabolicas sozinho. A discussão sobre a socialização do ser pensante se dará mais adiante, mas o importante desse ponto é perceber que cada maquina é individual e independente de outra maquina.

Uma segunda vantagem é a capacidade e interagir e atuar na existência, podemos criar coisas, baseado no nosso ambiente, isso é uma função complexa que usa tanto a criatura como o criador, mas o importante é que na camada existencial é a maquina que faz a atuação efetiva.

Um ponto interessante a se discutir aqui é: porque se da essa intervenção? Pensemos agora no amplo, um indivíduo (criatura-criador) na cidade grande e um indivíduo (criatura-criador) numa aldeia rudimentar, ambos tem todos os meios para se manter vivo, e ambos tem meios e motivos para se sentir satisfeito (a.k.a feliz) nos ambientes em questão, a diferença é o nível de complexidade dessa satisfação; quanto mais complexa a atuação do criador no meio, mais complexo se torna a criatura, seja o vassalo ou a atuação do vassalo com o meio.

Conforto, luxo, tudo é uma questão de abstração da realidade, eu consigo vislumbrar um aborigene sendo bem mais feliz e confortável que muita gente rica que tem tudo, e ainda assim temos a necessidade envenenada de comer “batata-frita” congelada do que plantar nossa batata fresca sem agrotocho.

Fraquezas:

Eu acredito que a invulnerabilidade completa deveria ser uma utopia pregada veementemente, nada melhor que como criadores, tenhamos um vassalo perfeito, impecável. A primeira fraqueza clara que acredito ter o vassalo é exatamente a fragilidade do exterior. A proteção que temos é meramente paliativa, e mesmo os animais que tem o couro grosso baseiam sua maior defesa no esqueleto que é sustentação.

Uma segunda fragilidade se deve ao fato da seletividade e complexidade genética, a capacidade de diferenciação celular se perde e nossos sub-sistemas se tornam tão específico que quando um falha todo o sistema falha.

Eu fico pensando, como a maquina é tão burra, porque não se curar e usar as reservas de energéticas para sanar os problemas do corpo.

Esse trecho demonstra minha indignação com a fragilidade, todo santo dia penso que um tiro é só um tiro, e não deveria ser capaz de tirar uma vida. Mas é retórico e inútil. Mas novamente o criador pode resolver isso de várias maneiras, a medicina é um exemplo, o colete a prova de balas também. Mas aí questiono o acesso à essas alternativa, entretanto esse tópico poderia (não necessariamente será) discutido na socialização.

Para finalizar é basicamente a ideia de que é a mente que cria e direciona o corpo, e essa é a dinâmica entre criatura e criador.

Anúncios

Sobre Pride

Proud child of the alliance!
Esse post foi publicado em Pride's Area of Dubious Thoughts. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Confluência (geral) das vontades : Prelúdio : O corpo e a criação.

  1. Um tiro é só um tiro, mas causa dano por perfuração e isso tem um bônus no dano, não lembro exatamente, já que tem muito tempo que parei de jogar RPG com vocês, mais até que parei de jogar Magic, mas enfim, é por isso que um tiro é capaz de tirar uma vida.
    Se tiver mais dúvidas consulte o GURPS Módulo Básico, tem tudo lá.
    =P

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s